Cruzado sou. Envergo uma couraça,

Jurei meus votos num missal aberto.

– eu me persigno em nome do Encoberto.

Alto, bem alto, quando a lua passa,

a lua me dirá se o avisto perto.

Eu me persigno – ou seja noite baça,

ou rompa o dia, com o sol desperto.

Meu S. Cristóvão, de menino ao ombro,

ó Portugal, – eu me comovo e assombro –

nas tuas mãos ergueste o mundo inteiro.

Entrei por ti na religião da Esperança,

Pois na alvorada que de além avança,

vem tu vestir-me o arnez de cavaleiro!

António Sardinha, in Pequena Casa Lusitana.

Deixe uma resposta