Há muito que as democracias liberais deram seu último suspiro de ‘’liberdade’’ para os empresários e baixaram seus tentáculos de soberania individual sobre os homens, nunca houve a real intençãode fazer a nações prosperarem, apenas o velho esquema que criou um vácuo de poder espúrio entre empresas e o velho jogo liberal na política, mas afinal, amigo integralista que lê esse texto, não podemos dizer que isso é um jogo eterno.

Plínio salgado estabeleceu suas bases de ação voltadas para a política já em detrimento do liberalismo que já buscava criar suas amarras sob nossa jovem república, alertando que o crescente poder dele poderia ser comparável à ascensão do comunismo, que já pairava sob a república, principalmente na forma de tentativa de golpe, pois não nos esqueçamos da famosa Intentona de 1935, essa expressão máxima do materialismo que buscava na forma mais grosseira a tomada da república e supressão de qualquer reação nacional, seja espiritual ou meramente virtuosa, que pudesse levar o país à justa maré de prosperidade que nos era prometido, dado isso sabemos como terminou, Luís Carlos Prestes falhou e reconheceu, mesmo que até hoje contestem em vão, a existência de uma força chamada Integralismo.

Que reflexão tiramos? Para isso precisamos estabelecer um ponto, olhe ao redor, veja as ações civis pós-2013, ora, nenhum princípio doutrinário, nenhum interesse em prol das juventudes que tanto valorizávamos até então, quedas de presidentes não trouxeram consigo futuro algum, apenas nos trouxeram abominações políticas que alimentaram a máquina liberal, orbitando em falso pelo lucro e sem nos retornar nada com isso. Plínio Salgado alertou-nos, o comunismo com sua doutrina é um inimigo considerável, porém o liberalismo sem alma e nem cabeça traz consigo a fome infernal da busca eterna pelo capital que nos ameaça constantemente, não há busca por inserção da sociedade, nem transmissão de valores de qualquer tipo que endosse a direção buscadapelo homem, e sim apenas o surto famélico que hoje alimenta uma máquina em falso trazendo a própria fome em todos os seus sentidos.

Provoco aqui uma reflexão pouco explorada, o liberalismo sequer ficou de fora de nenhum governo, gozou de lucro disparado em diversos governos, ora, há recordes de lucro em todas as notícias mas nunca risco de falência desses mesmos bancos, entra governo, sai governo, e sempre houve prevalência, agora diz ‘’reformar’’ nosso Estado ‘’inchado’’, o mesmo Estado inchado que inchou seus cofres, mas agora sob pretexto de que ‘’quebraremos’’, mas nunca quebramos, apenas perdemos, para eles o protecionismo para as suas Sedes lá fora, para nós, liberalismo mesmo que descarrilhado, chega de depredação do nosso patrimônio, chegamos ao momento em que podemos pensar sobre o nosso Estado, um Estado Nacional, e não deve ser crime nenhum falar de Estado, muito pelo contrário, é dever falarmos sobre ele, e é um dever nobre trazermos luz a essa questão sempre que possível.

por Leonardo Silva

Deixe uma resposta