Gustavo Barroso em 1913 - Acervo Biblioteca Nacionalista

Para a realização de tão grande obra política, econômica e social, o Integralismo tem de combater sem tréguas e sem piedade toda a repelente imoralidade do atual sistema de fraudes, enganos, corrupção e promessas vãs, bem como todo materialismo da barbárie comunista que alguns loucos apontam como salvação para nosso país. O atual regime pseudo-liberal e pseudo-democrático é um espelho da decadência a que chegou o liberalismo, que procurou dividir a Nação com regionalismos e separatismos estreitos, implantando ódios entre irmãos, atirados às trincheiras da guerra civil; com partidos políticos transitórios que sobrepõem as ambições pessoais aos mais altos interesses da Pátria e pescam votos, favorecendo os eleitores com um imediatismo inconsciente, em que tudo concedem ou vendem, contanto que atinjam ás posições.

Esse regime fraco e vergonhoso escravizou nosso Brasil, o pouco capital dos brasileiros e o trabalho de nossas populações abandonadas ao banqueiro internacional por um criminoso sistema de pesados, aladroados e sucessivos empréstimos externos, cuja funesta e primeira conseqüência é o esfolamento pelos impostos. 

O comunismo que agitadores estrangeiros, aliados a brasileiros vendidos ou inconscientes, inimigos da Pátria, nos prometem,  quer a destruição das pátrias,  da propriedade e da família, a proletarização das massas e a materialização do homem em todos os sentidos. Tirando ao individuo suas crenças e tradições, sua vida espiritual e sua esperança em Deus, sua família – que é sua projeção no Tempo, e sua propriedade – que é a sua projeção no Espaço, arranca-lhe as forças de reação, todos os seus sentimentos; deixa somente a fera humana e prepara-o assim, para definitiva escravização ao capitalismo internacional disfarçado em capitalismo de Estado. 

O Povo Brasileiro debate-se em verdadeira angustia econômica e anseia por novo padrão de vida; debate-se numa completa desorganização de sua existência pública e almeja nova forma de justiça social; debate-se em formidável anarquia de valores e na incultura geral, e precisa formar sem detença homens escolhidos que possam resolver os grandes e graves problemas da Nação. 

Urge a transformação completa do Brasil para salvá-lo, novo conceito de vida, novo regime, novo quadro de valores. Essa transformação completa, integral da Sociedade Brasileira fatalmente terá de ser resultado duma transformação completa, integral da Alma Brasileira no sentido do rigoroso cumprimento de todos os deveres para com a Família, para com a Pátria e para com Deus.

A lição de Jacques Maritain manda a Razão submeter-se a deus, que é o Espírito, e à Ordem Espiritual por Ele instituída. 

Só uma Revolução Moral pode produzir uma grande, digna e benéfica Revolução Social. Porque esta é projeção daquela. Por isso, a Doutrina Integralista afirma que a primeira revolução do Integralismo é a Revolução Interior.

***

BARROSO, Gustavo. O que o integralista deve saber. 1ª edição. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1935. Transcrito das páginas 14, 15 e 16.

Deixe uma resposta